Sexta-Feira, 17 de setembro de 2021

Herói caboclo, Bernardo da praia. Exemplo de humildade e amor ao próximo

Publicado em 09/06/2021. http://jornalterral.com.br/t-P1w

 

Afinal, quem foi Caboclo Bernardo? Existem várias narrativas e abordagens – e é de bom tom que todas sejam consideradas, respeitadas e avaliadas. Nos parágrafos que seguem, o TERRAL abre espaço para o livro Linhares – 199 anos de História e Desenvolvimento, lançado em 1999 pela D. Porto Editora.

Na obra, os jornalistas e autores Daniel Porto e Elber Suzano registraram que Bernardo José dos Santos nasceu no dia 16 de junho de 1859 na Barra do Rio Doce, hoje Regência, filho de Manoel dos Santos, o Manduca, e Carolina dos Santos. Casado com dona Maria Cearense, não teve filhos.

Sobre seu feito, diz-se que na madrugada do dia 7 de setembro de 1887 o vapor da Marinha Imperial Marinheiro, com 142 tripulantes e sob o comando do tenente Arthur Índio do Brasil bateu contra o Pontal do Rio Doce. Pela manhã um escaler tripulado por 12 homens foi à praia em busca de salvamento. O mar ainda agitado despedaçou o barco, matando um dos marinheiros.

Bernardo, que assistia a tudo, nadou até o vapor, puxando o cabo levado pelo barco. Foi providenciada uma chalana de fundo chato (que tombou várias vezes nas travessias do tipo vai-e-vem), possibilitando assim o salvamento de 128 marinheiros.

Seu heroísmo foi prontamente reconhecido. Foi chamado a Vitória, onde desembarcou no dia 20 de setembro, a convite do presidente da Província, Antonio Leite de Almeida. Nove dias depois, a bordo do navio Espírito Santo, foi levado à Corte, no Rio de Janeiro, sendo recebido com flores e hospedado na residência do Barão de Vinhedas.

O Clube Naval também lhe prestou homenagens e, em seguida, no Palácio Impedrial, a Princesa Isabel o condecorou com uma medalha, “pelos serviços prestados à Nação”.

O reconhecimento não ficou só nisso. No dia 18 de dezembro, por decreto, D. Pedro II oferecia uma mesada para Bernardo se educar na Europa. Pela modéstia de seus pais, a oferta foi recusada, assim como um alto cargo na Capitania dos Portos. Bernardo preferiu voltar para a Barra do Rio Doce e tocar sua vida.

O assassinato de Caboclo Bernardo nunca teve explicação. Leonel Fernandes de Almeida apenas o viu na janela, por volta das 17 horas do dia 3 de junho de 1914 e disparou um tiro de garrucha, alegando que havia atirado em “um papagaio comendo banana”. Condenado a 17 anos de prisão, Leonel cumpriu apenas seis. Morreu em Linhares, paralítico, aos 72 anos.

Ainda no livro, Daniel Porto e Elber Suzano ressaltam que a morte do pescador Bernardo deixou desolada a comunidade de Regência, na foz do Rio Doce, em Linhares. “Heróis não se matam. E se os veneram, não foi em vão que Caboclo Bernardo é venerado por seu ato heroico”, destacam.

 

 

* As matérias, textos e artigos publicados a partir de terceiros não significam que estejamos de acordo com as posições apresentadas por seus autores ou fontes. Apenas estamos buscando divulgar conteúdos que possam contribuir, de alguma maneira, para prestar um serviço social de ajuda e orientação.
Fundado em 29/11/1990, o Terral possui circulação impressa e estende sua atuação para o ambiente online. Acompanhe-nos por meio das redes sociais e compartilhe as matérias.
EXPEDIENTE

Diretor
Daniel Porto

Jornalista Responsável
Daniel Porto - MTE Nº 3.802/ES

Assessoria Jurídica
Dra. Alciene Maria Rosa

Edição do Impresso
D. Porto Editora - ME

Desenvolvimento
Saulo Porto

Gestor de Conteúdo
Iorran M. Porto - MTE Nº 4.149/ES

CONTATO

Rua João Calmon, 880 Centro, Linhares - ES


(27) 3151 6247 / 99857 9813 contato@jornalterral.com.br



© 2019. Todos os direitos reservados.