Segunda-Feira, 25 de outubro de 2021

Tudo aquilo que sou ou pretendo ser devo a um anjo: minha mãe - Por Márcia Nicolini

Publicado em 28/04/2020. http://jornalterral.com.br/t-Xw2

Abraham Lincoln definiu com a frase: “Tudo aquilo que sou ou pretendo ser devo a um anjo: minha mãe” o sentido para escrever este artigo. Maio é o mês em que as mães são homenageadas. Será que um dia apenas é suficiente para agradecer por toda uma vida?

Somente quando nos tornamos mãe é que se tem a nítida noção do que é ser capaz de cuidar de outra pessoa. Ter como prioridade um coração que pulsa fora de nós na certeza de que essa vida vale mais do que qualquer outra coisa é criar este pequeno ser e lutar para dar a ele o que todos os seres humanos almejam – a felicidade.

Até onde uma mãe é capaz de se doar para ver seus filhos felizes? Quando nos tornamos responsáveis por outra pessoa, é como se a alma saísse do corpo para enxergar a grandeza de quem nos criou.

E quando ela não está mais entre nós? Como sobreviver à falta desse ser tão importante que Deus colocou em nossas vidas? Como passar o tempo onde tudo nos remete a recordações de momentos com aquela que parecia ser imortal aos nossos olhos?

A morte é sempre muito dolorosa e, mais ainda, se for de uma pessoa tão importante como a nossa mãe. Este é um dos momentos mais difíceis de nossas vidas. É uma parte de nossa alma que está indo embora, e a pergunta que fica é: Por que tão cedo? Como vamos suportar a sua falta?

É preciso aceitar que nesta vida estamos de passagem, que todos nós temos um bilhete de partida com dia e hora para a viagem e que isto faz parte da ordem natural da vida.

Jamais esqueceremos, mas aos poucos vamos acostumando e a tristeza dá lugar à saudade. Aceitar que a morte é um processo natural, que faz parte da evolução do ser humano, nos torna seres emocionalmente mais saudáveis e capazes de lidar com as frustrações.

Deixar o luto fluir, se permitir sofrer e entender que não é motivo para desistir. Pelo contrário; são momentos para refletir e nos armar de coragem para prosseguir, mesmo que a dor pareça ser insuportável.

Perdemos aquela que parecia ser eterna; agora é preciso reaprender a viver sem ela.

Segundo Paul Raynal, “um amor mais forte que tudo, mais obstinado que tudo, mais duradouro que tudo, é somente o amor de mãe”. E  quando nos tornamos responsável por outra pessoa, filhos biológicos ou não, começamos a entender o valor de uma mãe e passamos a ser gratos por cada minuto de vida ao seu lado.

* As matérias, textos e artigos publicados a partir de terceiros não significam que estejamos de acordo com as posições apresentadas por seus autores ou fontes. Apenas estamos buscando divulgar conteúdos que possam contribuir, de alguma maneira, para prestar um serviço social de ajuda e orientação.
Fundado em 29/11/1990, o Terral possui circulação impressa e estende sua atuação para o ambiente online. Acompanhe-nos por meio das redes sociais e compartilhe as matérias.
EXPEDIENTE

Diretor
Daniel Porto

Jornalista Responsável
Daniel Porto - MTE Nº 3.802/ES

Assessoria Jurídica
Dra. Alciene Maria Rosa

Edição do Impresso
D. Porto Editora - ME

Desenvolvimento
Saulo Porto

Gestor de Conteúdo
Iorran M. Porto - MTE Nº 4.149/ES

CONTATO

Rua João Calmon, 880 Centro, Linhares - ES


(27) 3151 6247 / 99857 9813 contato@jornalterral.com.br



© 2019. Todos os direitos reservados.